Vacinar é proteger o bebê desde o início da vida

16/03/2021

Vacinar é proteger o bebê desde o início da vida

As vacinas que o bebê precisa tomar no primeiro ano de vida

Enquanto todos esperam pela sua vez na vacinação contra a Covid, mamães devem ficar atentas para não se descuidar da vacinação recomendada aos bebês. Até o período de 1 ano, há uma série de vacinas necessárias para fortalecer o sistema imunológico dos bebês.

As vacinas estão disponíveis gratuitamente no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Basta a mamãe ir a um posto de saúde com o cartão de vacinação em mãos. Para quem perdeu o cartão de vacinação, a orientação do Ministério da Saúde é procurar o posto de saúde onde recebeu as vacinas para resgatar o histórico de vacinação e fazer a segunda via. 

É o cartão de vacinação que comprova a situação vacinal do bebê, devendo ser guardado junto aos demais documentos pessoais. Vamos conhecer então cada vacina que o bebê deve receber até o primeiro ano?

Ao nascer:
– BCG (Bacilo Calmette-Guerin): previne as formas graves de tuberculose, principalmente miliar e meníngea. Dose única. 

– Hepatite B: previne a doença, com dose ao nascer.

2 meses:
– Penta: previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B. 1ª dose

– Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada): previne a poliomielite. 1ª dose

– Pneumocócica 10 Valente (conjugada): previne a pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo. 1ª dose

– Rotavírus humano: previne diarreia por rotavírus. 1ª dose

3 meses:
– Meningocócica C (conjugada): previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C. 1ª dose.

4 meses:
– Penta: previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B. 2ª dose

– Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada): previne a poliomielite. 2ª dose

– Pneumocócica 10 Valente (conjugada): previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo. 2ª dose

– Rotavírus humano: previne diarreia por rotavírus. 2ª dose.

5 meses:
– Meningocócica C (conjugada): previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C.  2ª dose.

6 meses:
– Penta: previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B. 3ª dose

– Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada): previne poliomielite. 3ª dose.

9 meses:
– Febre Amarela: uma dose. Depois, aos 4 anos de idade.

12 meses:
– Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola. 1ª dose  

– Pneumocócica 10 Valente (conjugada): previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo. Reforço

– Meningocócica C (conjugada): previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C. Reforço.

Controle digital

Você sabia que pode fazer o controle das vacinas do seu filho via aplicativo? Quem utiliza o aplicativo “Meu digiSUS” tem essa opção. O registro de vacinas pode ser acessado a partir da vinculação do CPF dos usuários.

O registro deve ser feito, pelos agentes de saúde que aplicam as vacinas nas UBS, no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNEI). Cada paciente deve solicitar na hora da vacina o registro da dose aplicada.

Seguindo o calendário orientado pelo Ministério da Saúde, você protege seu bebê. Pela ordem de risco, as crianças vão demorar um pouco mais para receberem a vacina contra a Covid-19. Enquanto isso, não deixe faltar nenhuma outra vacina na carteirinha dos filhos. É gratuito e salva vidas!