Do exame de rotina à rápida ação: vitória da vida

Solange Silva
15/10/2020

Do exame de rotina à rápida ação: vitória da vida

Uma conduta atenta das mulheres é fundamental para a detecção precoce do câncer da mama. Ao menor sinal, a recomendação do Ministério da Saúde é procurar auxílio médico e apurar a fundo a anormalidade.

Nossa colaboradora Solange Silva, que está há 3 anos e 4 meses na Galzerano, não sentia nada de incômodo quando, ao fazer o autoexame das mamas, sentiu um carocinho. “Achei que não era nada, nunca tinha feito mamografia”, conta. Mas isso mudou após uma ida de rotina à ginecologista, que solicitou um exame há cerca de 1 ano e meio.
A mamografia é uma radiografia das mamas feita por um equipamento de raios X chamado mamógrafo, que identifica alterações suspeitas de câncer antes do surgimento dos sintomas. O exame revelou uma “manchinha” e Solange foi encaminhada à um mastologista.

Após novos exames, o médico identificou o que chamou de nódulo grande. Decidiu investigar. “Graças a Deus você chegou a tempo, ele me disse. Se eu tivesse deixado, poderia ter ficado pior”, relata Solange.

O médico relatou-lhe que normalmente o carcinoma se “esconde” e, depois de um certo tempo, começa a se alastrar. A orientação foi pela realização de uma cirurgia imediata. Solange não perdeu tempo. O procedimento foi rapidamente marcado.

 A cirurgia retirou o nódulo, mas foi necessário um segundo procedimento, para maior garantia. Após duas cirurgias, cerca de um quarto da mama precisou ser retirada.

No começo, Solange disse que sentiu um certo medo. “A gente leva um susto né? Mas Deus me deu força. Depois foi passando e ganhei confiança”, conta ela, que tem um filho de 28 anos. Hoje, ela sabe e conta sobre a relevância do diagnóstico precoce, que permite o tratamento imediato. “É muito importante fazer o exame, e isso tem cura!”